Opinião

Lucília Salgado | 18 Dezembro 2017

"Os sistemas mais adequados de educação de adultos reconhecem que, qualquer que seja o nível de literacia de um adulto, a sua aprendizagem de deve basear no que ele sabe, no que ele é, no que ele tem. E ser esse o ponto de partida. Por essa razão o sistema de aprendizagem que assenta no reconhecimento de competências pareceu ser o mais adequado para adultos trabalhadores, cidadãos".

Este artigo de Lucília Salgado resume a intervenção proferida no Encontro Semana ALV 2017, que decorreu no dia 20 de novembro, no Grande Auditório do ISCTE, organizada pela Associação O Direito de Aprender, com o apoio de várias entidades.

Maria da Luz Pessoa e Costa | 12 Dezembro 2017

"Desacerto é a primeira palavra que nos ocorre quando pensamos em “literacia digital” e em “emprego”.

Parece um contrassenso, se pensarmos que em estudos recentes a Comissão Europeia prevê que, nos próximos anos, o mercado único digital poderá contribuir com 415 mil milhões de euros para a economia europeia, dando um impulso significativo ao crescimento, à inovação e ao emprego, entre outros fatores, criando novos postos de trabalho e levando à transformação dos serviços públicos.

Nestes estudos, perspetiva-se que em 2020 a nível europeu, 900.000 ofertas de emprego na área das TIC fiquem por preencher, 15.000 das quais em Portugal. Havendo ainda cerca de 400.000 pessoas inscritas nos serviços públicos, à procura de emprego, como se explica que fiquem vagas por preencher?

Entramos aqui na nossa ideia inicial, a dos desacertos".

Inicia-se assim o artigo de Maria da Luz Pessoa e Costa que resume a intervenção proferida no âmbito do Encontro Semana ALV 2017, que decorreu no dia 20 de novembro, no Grande Auditório do ISCTE, organizada pela Associação O Direito de Aprender, com o apoio do IEFP, IP, entre outras entidades

Albertina Lima de Oliveira | 11 Dezembro 2017

"Os apelos dominantes que todos sentimos e que têm vindo, insidiosamente, a afetar as diversas esferas da nossa vida, em culturas orientadas pela bandeira do fast, são o de produzir e fazer rapidamente, ser competitivo, procurar o sucesso a todo o custo. Mas, como diz o nosso povo, no seu saber secularmente decalcado, depressa e bem não há quem! Os macroproblemas que temos gerado, como sociedades ‘avançadas’, desafiam-nos a uma profunda alteração do paradigma que nos tem sustentado, e suscitam, mais do que nunca, um posicionamento crítico".

Artigo publicado no Jornal das Letras Nº 1231 de 6 a 9 de dezembro de 2017, no suplemento educação num destaque sobre o Encontro Semana Aprender ao Longo da Vida 2017 que decorreu de 20 a 24 de novembro.

Este artigo sintetiza a intervenção de Albertina Oliveira nesse Encontro

Marco Castro Andrade | 01 Março 2016

Ao contrário do que se pensa, são, ainda, muitos os adultos que demonstram graves problemas de alfabetização e iliteracia em diferentes áreas e que se encontram desempregados. Estes encontram no Ensino para Adultos, a oportunidade de melhorarem aspectos da sua condição social, sobretudo, a nível laboral, pessoal e interpessoal.

Este é o segundo texto que nos enviou Marco Andrade (da Madeira) onde relata algumas das atividades pedagógicas que desenvolveu junto de diversas comunidades adultas, em prol da coesão e integração social.

Marco Castro Andrade | 15 Fevereiro 2016

Este texto escrito pelo Marco Andrade que vive na Madeira e que está neste momento desempregado, reflete sobre os problema que afetam a educação de adultos. Enviou-nos dois textos. Hoje publicamos o primeiro.

Atualmente, o nosso país atravessa grandes problemas sociais devido à conjuntura económica e financeira que atinge muitas áreas e, por sua vez, muitos cidadãos. Contudo, a Educação é a que mais tem sido afetada, talvez por não produzir efeitos nem retornos imediatos. Se calhar, a tendência é sempre projectar para o futuro ao invés de se tentar resolver o problema no presente, mesmo que seja moroso e de certo modo dispendioso. Será que não valeria a pena tal investimento?

Joana Portela | 21 Setembro 2015

A autora deste texto (Joana Portela) foi abordada num supermercado por um casal para que lesse e comparasse os preços dos produtos expostos.

Este episódio, que lhe acontece com alguma frequência no seu quotidiano de século XXI, serviu-lhe de ponto de partida para reflectir sobre os impactos sociais do analfabetismo e da iliteracia na vida de muitos portugueses.

Licínio C. Lima | 18 Março 2015

Licínio Lima participou na Assembleia Geral da Associação Europeia de Educação de Adultos (EAEA), em Bruxelas, a 18 de Junho de 2014 onde deu uma conferência, na qual discutiu as suas opiniões sobre democracia e educação de adultos. Licínio Lima considera que o discurso dominante da economia e da competitividade está a reflectir-se na nossa maneira de falar sobre educação de adultos.

Publicamos aqui um texto resumido e traduzido da referida conferência.

Flávio Ferreira | 10 Março 2015

A educação de adultos é aquela educação que atormenta decisões teóricas e políticas.
A educação, formação e aprendizagem de adultos necessita, urgentemente, de um conceito robusto, claro e adaptado aos actuais modelos heuréticos. Pedangrogia é o que vos proponho, caso contrário, iremos continuar a seguir a uma desarticulação entre a teoria e as políticas educativas na educação de adultos, como a seguir vos apresento sob a forma de um mapa conceptual. Apresentar uma inovação prática à luz do que foi reflectido, é saber respeitar todo o trabalho histórico-teórico e principalmente as pessoas envolvidas nas organizações internacionais e nacionais, no entanto, é nosso entendimento que a inovação deve partir de dentro para fora, dito por outras palavras, do local para o global. O sistema inovador será composto por um cartão inteligente através da tecnologia de Identificação por Rádio Frequência (RFID).

Timothy D. Ireland | 29 Outubro 2014

Em 2013, o Brasil comemorou o cinquentenário da experiência pioneira de alfabetização em 40 horas concebida e dirigida por Paulo Freire, na cidade de Angicos-RN. Apesar de ser uma proposta relativamente modesta em termos de abrangência, foram 380 homens e mulheres que participaram – o projeto teve um impacto nacional e internacional desproporcional a sua dimensão. Embora tenha sido mais lembrado por ser uma das primeiras experiências que colocou em prática o método de alfabetização de Freire, as 40 horas de Angicos se fundamentaram em uma nova visão de educação e numa nova epistemologia constituindo um repensar, nas palavras de Torres (1), “da missão do ‘público’ e da educação pública como uma contribuição à constituição da democracia e da cidadania”.

Paula Guimarães | 18 Março 2013

Recentemente foi divulgada uma proposta de Portaria que extingue os Centros Novas Oportunidades e promete a criação dos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional. Neste artigo de Opinião, Paula Guimarães considera que “é um documento que acentua algumas ideias (questionáveis) que já eram importantes nas Novas Oportunidades, com a ‘qualificação, enquanto aposta estratégica do país’. Todavia, claramente aponta outros caminhos, embora estes pareçam não conduzir a algum lado relevante para a educação de adultos”.