Educação de Migrantes

A aprendizagem de adultos é uma parte essencial da integração de migrantes e refugiados. Muitas vezes, é o primeiro passo para se tornar parte de um novo país, cultura e comunidade. Ajudar os migrantes a falar a língua local e a adquirir as competências necessárias para suas novas carreiras é vital para a sua entrada no mercado de trabalho. A aprendizagem de adultos também pode ajudar os locais a desenvolver consciência e competências interculturais, facilitando o processo de integração para todos os envolvidos.

A aprendizagem de adultos pode ajudar não só os migrantes a se adaptarem ao novo ambiente, mas também pode ser uma solução para o ódio religioso e cultural.

A educação de migrantes, é o tema para o mês de maio da EPALE - Plataforma Eletrónica para a Educação de Adultos na Europa, onde a comunidade e as equipas nacionais debatem este tema e reúnem artigos, recursos e estudos de caso.

Publicamos no nosso site, em português, as reflexões que a professora Katarina Popović da Universidade de Belgrado, fez sobre o que é que a aprendizagem de adultos faz e o que ainda pode fazer mais para ajudar os migrantes que chegam à Europa.

Educação de Migrantes Adultos: Rumo a um Iluminismo Moderno

por Katarina Popovic

A professora Katarina Popović partilhou as suas reflexões sobre o que é que a aprendizagem de adultos faz e o que ainda pode fazer mais para ajudar os migrantes que chegam à Europa.

Nos últimos anos, a migração subiu para o topo da lista de prioridades na educação de adultos. Num período de tempo extremamente curto, uma questão altamente política, que se cruzou com interesse humanitário, na melhor das hipóteses, tornou-se um tema quente na educação de adultos. A comunidade da educação de adultos deve orgulhar-se de si própria – reação rápida, estando no ‘lado certo da história’, ajudando as pessoas numa das situações mais difíceis que podem ocorrer na vida de alguém.

O que foi feito?

As organizações de educação de adultos abraçaram o novo grupo-alvo e abriram as portas para os participantes com inúmeros cursos e currículos adaptados e formas organizacionais. Os profissionais de educação de adultos foram aconselhados e apoiados através de formulários de ensino adaptados a grupos de migrantes específicos, os seus estilos de aprendizagem, formação educativa e experiência profissional.

Os cursos oferecidos consistiram principalmente de:

- Cursos de línguas, incluindo ‘alguma cultura’, que ajudem à integração dos imigrantes e à sua entrada no mercado de trabalho;

- Novas ou adicionais competências necessárias para as suas novas carreiras e emprego;

- Iniciativas e programas para o reconhecimento da aprendizagem prévia e das competências previamente obtidas.

Quais são as desvantagens dessa abordagem?

Basicamente, nada está errado com estas medidas – elas são necessárias – mas…

… não são suficientes

As medidas orientadas para o emprego são o primeiro passo, mas devem ser acompanhadas de:

a) outras medidas educativas – educação verdadeiramente empoderadora e emancipadora, e

b) ações sociais, económicas e culturais mais amplas.

É esperar demais que a educação sozinha possa resolver todos os problemas relacionados com os migrantes. Com o poder que a educação de adultos pode ter, ela pode ser bem-sucedida como parte de um conjunto de medidas.

… esta abordagem tende a ficar desatualizada

A abordagem tende a desenvolver uma visão da integração antiga e paternalista, o que é muito próximo da assimilação, em que a cultura dominante forma os migrantes como as formas de bolos enformam o bolo. Pouco é feito para apoiar o desenvolvimento da nova identidade cultural dos migrantes numa troca dinâmica com a cultura anfitriã.

… este tipo de integração é uma rua de sentido único

Espera-se que os migrantes se adaptem à sociedade anfitriã, tentando atingir os objetivos predefinidos da maneira mais eficiente, enquanto a maioria permanece bastante passiva. Existe também uma necessidade de medidas educativas para a população hospedeira, pois pode muitas vezes ser caracterizada por preconceitos, xenofobia e hostilidade que levam os migrantes ao isolamento.

Prevenção versus tratamento

Mesmo que tudo isso seja feito com sucesso, a educação de adultos pode falhar na sua missão principal. Ajudar pessoas necessitadas – sim; abraçando e apoiando minorias – sim; trabalhando para a dignidade do ser humano e apoiando a inclusão – sim; então o que está a faltar?

Por mais que a educação possa fazer para ajudar as pessoas e as sociedades a resolver os seus problemas, a sua tarefa principal deve ser evitar esses problemas – consciencializar as pessoas sobre as causas do problema, compreender as conexões e origens, refletir sobre as ações e antecipar as consequências.

Não é surpresa que a educação de adultos na Europa está preocupada com os migrantes. Mas dificilmente faz algo para evitar o problema. E com isso não quero dizer que se impeça que os migrantes venham para a Europa, mas que se impeçam as situações que os fazem deixar as suas casas.

A educação de adultos pode fazer mais?

A educação de adultos pode ser analítica, reflexiva, profunda, ajudar os cidadãos europeus a ‘ler o mundo global’ e ser mais ativos como cidadãos? Claro que pode, embora não seja uma tarefa fácil. Mas isso não a torna menos importante. Existem várias áreas em que a educação de adultos pode desempenhar um papel crítico que vise soluções a longo prazo e não apenas medidas paliativas:

Esclarecer os cidadãos em situações em todo o mundo

Os cidadãos devem ser informados sobre as situações nos países de origem dos imigrantes, as causas das guerras, os conflitos e a pobreza, e a interligação da política europeia e global. É educação política na sua forma mais valiosa: uma que ajuda a criar cidadãos globais. Isto significa que a educação de adultos não deve apenas fornecer informações e partilhar conhecimento, mas deve também ajudar-nos a evitar cair no que o Papa Francisco chamou de ‘globalização da indiferença’.

Esclarecer os cidadãos sobre o papel que os seus próprios países e líderes políticos têm no mundo

A educação de adultos deve sensibilizar os cidadãos europeus para o papel que os seus próprios países e líderes políticos desempenham no mundo da política. Esses cidadãos devem controlar ativamente os seus governos e monitorizar as políticas feitas em seu nome. Sempre que um país compra ou vende armas, elas serão usadas em algum lugar. A educação de adultos deve encorajar as pessoas a fazer perguntas – onde, porquê e quais serão as consequências. Caso contrário, os programas existentes para os imigrantes não ajudarão muito – exceto os poucos sortudos que caem nas ‘cotas de imigração’. Como o jornalista Wolfgang Bauer disse uma vez: "Precisamos de impedir que as guerras no Médio Oriente roubem à Europa o seu conceito de humanidade".

Estimular o pensamento crítico

O humanismo não é suficiente; a educação de adultos deve usar todos os meios de educação e aprendagem formal e não-formal para aumentar a recepção crítica das notícias da media, da xenofobia generalizada, das interpretações hostis e o mau uso populista da crise dos migrantes. Isso pode ser feito analisando a migração ao longo da história e o seu papel na criação da civilização moderna, mostrando o impacto económico positivo da migração e a riqueza cultural que ela traz. Mais importante ainda, deve proporcionar conhecimentos e apoiar o pensamento crítico sobre as causas reais dos problemas enfrentados pelos cidadãos europeus, para não acusar os imigrantes de ‘ficar com os empregos’, ‘esvaziar os orçamentos’ e ‘arruinar a nossa cultura’ ...

Em direção a um iluminismo moderno

Quem deve ser responsabilizado pelos fracassos, quais são as raízes dos problemas e o que podemos fazer a respeito – essas são tarefas para um novo e moderno esclarecimento. A ‘crise dos migrantes’ lembra-nos que os negligenciamos ...

Quem é Katarina Popović

Ela é Professora e Académica na Universidade de Belgrado, Secretária Geral do Conselho Internacional de Educação de Adultos, Presidente da Sociedade de Educação de Adultos da Sérvia, membro do Hall da Fama do Programa de Educação Permanente e Diretora de Educação de Adultos Permanente e Editor Chefe da revista. ‘Andragogic Studies’.

Em: https://ec.europa.eu/epale/en/blog/adult-migrant-education-towards-modern-enlightenment

Visite a página temática da EPALE para educação de migrantes, onde a comunidade e as equipas nacionais reuniram artigos interessantes, recursos úteis e estudos de caso sobre o tópico (o conteúdo varia de acordo com a sua preferência de idioma). Visite a EPALE regularmente para novos conteúdos em maio!

Todos podem participar na discussão ao vivo da EPALE sobre o papel e os desafios da aprendizagem de adultos para a ajuda à integração dos migrantes no país anfitrião e como pode promover a tolerância e a compreensão cultural. A discussão será em inglês e terá lugar nesta página até 31 de maio de 2018. Será moderada pela Coordenadora Temática da EPALE, Gina Ebner.

Em: https://ec.europa.eu/epale/node/58497

Visite a EPALE regularmente, para descobrir novos conteúdos!

https://ec.europa.eu/epale/pt/  (em português)

 

 

 

 

Tópicos: Tags: