Envolver as Famílias em Literacia e Aprendizagem

As abordagens intergeracionais de literacia e aprendizagem, embora muitas vezes ignoradas pelos formuladores de políticas, têm enorme potencial em diversificadas agendas e particularmente para famílias desfavorecidas e vulneráveis.

Os resultados da investigação revelam os benefícios consideráveis da aprendizagem familiar tanto para as crianças como para os adultos. Promover uma cultura de aprendizagem dentro da família pode ajudar a prevenir o fracasso e abandono escolar entre as crianças, ajudando os pais a garantir que seus filhos estejam prontos para a escola e apoiando-os nos seus trabalhos de casa. O desejo dos pais de apoiarem melhor os seus filhos na escola é, muitas vezes, um motivador importante para se reencontrarem com a aprendizagem.

Para promover a aprendizagem familiar e para inspirar e apoiar os decisores políticos na realização de seu potencial para enfrentar a literacia e outros desafios educacionais sentidos pelas famílias e comunidades desfavorecidas, o Instituto da UNESCO para a Aprendizagem ao Longo da Vida (UIL) publicou um novo documento de orientação política (nº 9), Envolver as Famílias em Literacia e Aprendizagem.

A aprendizagem familiar supera as barreiras entre a casa, a escola e a comunidade, rompe o ciclo intergeracional de baixas escolaridade e competências de literacia e, portanto, ajuda a enfrentar os desafios persistentes de desvantagem, desigualdade e exclusão. Apresentando uma análise dos custos e benefícios da literacia e aprendizagem familiar, o documento defende a aprendizagem familiar como uma estratégia holística a ser integrada em toda a educação tanto na infância, na pré-escolar e na básica, como na educação de adultos e educação comunitária. Esta abordagem mostra o poder transformador da aprendizagem familiar que pode ajudar a alcançar uma série de metas importantes, em todo o espectro dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O documento propõe as seguintes cinco recomendações de políticas baseadas numa análise de programas de aprendizagem familiar bem-sucedidos:

1. Use uma abordagem de "toda a família" para enfrentar os desafios de literacia

As políticas e as estratégias de literacia devem abordar todas as fases da vida e envolver uma série de indivíduos e organizações relevantes. Não se devem concentrar apenas no desenvolvimento das crianças, nem tratar exclusivamente da educação de adultos. Os pais e outros cuidadores devem ser encorajados a embarcarem numa viagem de (re) descoberta da literacia e numeracia ao lado de suas crianças em idade escolar.

2. Concentre-se na criação de ambientes de literacia

Lidar com ambientes de literacia limitados ou pobres é um grande desafio, especialmente em contextos rurais e multilingues. Os programas de literacia familiar devem desenvolver uma cultura de leitura que se integre na vida diária das famílias.

Isso pode ser feito ajudando pais e cuidadores a melhorar as suas competências e confiança para envolver e motivar os seus filhos a desenvolver a sua linguagem e a ler por prazer. O desenvolvimento de ambientes de literacia ricos significa não só construir livros fáceis de ler e atraentes (também em idiomas locais), disponibilizar ferramentas de TIC e recursos de media, mas também incentivar as famílias a aproveitar todas as oportunidades para usarem e desenvolverem as suas novas competências. As campanhas públicas que oferecem recursos, apoio e voluntários de leitura para famílias desfavorecidas no contexto de programas de literacia familiar podem ajudar a concretizar isso.

3. Promover a cooperação utilizando fluxos flexíveis de financiamento e abordagens de relatórios.

A colaboração entre diferentes subsetores (isto é, ensino pré-escolar, ensino primário e educação de adultos), instituições e partes interessadas possibilita programas bem-sucedidos de alfabetização e aprendizagem familiar. No entanto, devido a diferentes mandatos, às responsabilidades e formas de operar entre departamentos governamentais, ministérios ou provedores, essa cooperação e o financiamento relacionado, às vezes, não se concretizam. Uma maior flexibilidade nos fluxos de financiamento e nas abordagens de relatórios pode ajudar a superar possíveis obstáculos à cooperação interinstitucional e a encorajar parcerias sustentáveis.

Em iniciativas tão bem coordenadas de alfabetização familiar e aprendizagem, uma instituição deve encarregar-se da política de alfabetização familiar.

4. Ligar literacia e aprendizagem a outros serviços para famílias desfavorecidas

Pode ser um desafio motivar famílias desfavorecidas a participar e a permanecer em programas de alfabetização familiar e de aprendizagem, particularmente em casos de pobreza extrema ou de experiências escolares negativas. Para ultrapassar esse desafio pode ser útil responder às necessidades e interesses das famílias participantes, demonstrar sensibilidade cultural e linguística, e desenvolver nas comunidades e grupos-alvo um sentido de propriedade. No entanto, para o envolvimento de famílias vulneráveis provou-se que ainda é mais relevante procurar a cooperação de líderes e comités comunitários, ONGs, programas de extensão do governo (por exemplo, programas de subsistência e de apoio alimentar) e serviços de apoio familiar (por exemplo, serviços de saúde e de aconselhamento). Os responsáveis, nas comunidades e bairros, pelos serviços de apoio familiar devem, portanto, receber formação sobre como ajudar as famílias desfavorecidas a participar nos programas de literacia. Da mesma forma, numeracia, literacia e desenvolvimento de linguagem podem ser incorporados noutros programas de apoio familiar.

5. Utilizar a literacia e a aprendizagem familiar a quebrar o ciclo intergeracional de baixos níveis de educação

Uma abordagem de aprendizagem familiar, em particular entre as famílias e as comunidades desfavorecidas, é mais propensa a romper o ciclo intergeracional de baixos níveis de escolaridade e de literacia e a cultivar uma cultura de aprendizagem do que medidas fragmentadas e isoladas. No entanto, para que essa abordagem seja bem-sucedida, é necessário proporcionar uma formação contínua de professores, desenvolver uma cultura de colaboração entre instituições, professores e pais e garantir um financiamento sustentável através do apoio de políticas de longo prazo e tornando-a parte da arquitetura Educação 2030.

Ver documento completo em inglês: UIL Policy Brief 9 - Engaging Families in Literacy and Learning

Em francês: Note d'orientation n°9 de l'UIL - Impliquer les familles dans l'apprentissage et l'alphabétisation

Em espanhol: Notas sobre Política del UIL Nº 9 - Involucrar a las Familias en la Alfabetización y el Aprendizaje

Informação recolhida em: http://www.uil.unesco.org/literacy-and-basic-skills/engaging-families/engaging-families-literacy-and-learning-uil-policy-brief

Ver também a publicação em inglês:

Learning Together Across Generations: Guidelines for Family Literacy and Learning Programmes

Tópicos: Tags:

Adicionar novo comentário