Governo Inglês publica Livro Branco sobre Educação

Learning RevolutionO Livro Branco “A Revolução da Aprendizagem” (“The Learning Revolution”) foi lançado no dia 23 de Março último, contendo a estratégia do governo inglês em matéria de educação informal. O governo reconhece a profunda importância da educação de adultos informal para a vida quotidiana das pessoas e para o bem-estar do país. A educação informal pode ajudar as pessoas a atingirem maior satisfação, desenvolvimento e realização a nível pessoal.

Para os menos qualificados e os que tiveram más experiências de educação formal, a educação informal pode ser um degrau muito importante para obterem mais aprendizagens, qualificações e um trabalho mais compensador. Pode também ajudar a manter as pessoas independentes e activas, mental e fisicamente, nas idades mais avançadas. E pode ainda contribuir para uma maior aproximação entre as pessoas e as respectivas comunidades.

Esta estratégia vem reafirmar o compromisso interministerial do governo inglês relativamente à educação informal, definindo as formas como este irá intervir como facilitador, promotor de capacidades e factor de ligação, a fim de maximizar os potenciais benefícios.
De acordo com esta nova estratégia, e seguindo a linha adoptada há muitas décadas pelo governo sueco, as pessoas que queiram organizar os seus próprios grupos e as suas próprias turmas receberão apoio público. Ao abrigo desta campanha nacional para a aprendizagem, edifícios públicos e privados por todo o país passarão a abrir as suas portas a todos os adultos interessados em aprender, à noite e aos fins-de-semana: desde “pubs”, lojas, cafés e igrejas até locais de trabalho, bibliotecas e galerias de arte. Estes edifícios serão identificados como o novo logótipo “Learning Revolution”, devendo ficar disponíveis a médio prazo 7.000 salas, um número que terá tendência a crescer.
Esta Campanha apoia-se em inúmeras organizações, tais como o Instituto das Mulheres, a Igreja Anglicana, o Património Nacional ou a Microsoft e o BUPA. (Serviço de Saúde). Todas já assumiram o compromisso de apoiar este novo movimento e de, sempre que possível, abrir as suas portas para que grupos de pessoas adultas interessadas em saber mais possam expandir assim os seus horizontes.
O Livro Branco revela o que o governo inglês, no seu conjunto, poderá fazer para apoiar a educação pelo prazer, incluindo o financiamento de ideias e projectos inovadores, intermediação no acesso às aprendizagens – especialmente para grupos desfavorecidos e de idosos – e promoção de uma cultura da aprendizagem por toda a sociedade.

São elementos chave desta estratégia:      
- Um fundo de 20 milhões de libras para apoiar o desenvolvimento de novas parcerias e ideias inovadoras no domínio da nova educação de adultos. Isto significa, por exemplo, ajudar populações locais a insuflar vida nova a estabelecimentos comerciais vagos, neles instalando estúdios de arte ou espaços para workshops teatrais, e também cobre a emissão de cheques de aprendizagem para desempregados.
- Articulação entre ministérios e autarquias a fim de disponibilizarem todo o tipo de espaços para actividades de aprendizagem auto-organizadas, tais como, bibliotecas, museus, galerias de arte, espaços de culto, centros internet, escolas ou colégios.
- Facilitar a busca de espaços adequados através de um concurso visando a construção de uma lista Web de espaços de aprendizagem gratuitos ou a preços baixos; esta actividade será gerida por organizações à escala nacional, como a NAVCA (Associação Nacional da Acção Voluntária e Comunitária).

O Secretário de Estado para as Competências, John Denham, afirmou: “Aprender, sob as mais variadas formas, melhora a qualidade de vida, traz felicidade e bem-estar pessoal. Enquanto o reforço das competências pessoais é um dos factores mais poderosos para garantir as aspirações de carreira profissional, temos que reconhecer a importância de se aprender pelo prazer e o enorme contributo que isso dá ao bem-estar das pessoas, das comunidades e da sociedade em geral”.

No dia da publicação do Livro Branco, o Conselho dos Museus, Bibliotecas e Arquivos assinou o Protocolo da “Learning Revolution”, comprometendo-se a disponibilizar até 3.000 espaços e criando também um fundo de 100.000 libras para pequenos subsídios a atribuir a museus, bibliotecas e arquivos que pretendam introduzir inovações que facilitem actividades de aprendizagem auto-organizadas.

O Livro Branco encontra-se disponível em:
www.dius.gov.uk/skills/engaging_learners/informal_adult_learning/white_paper.aspx

 

Tópicos: Tags: