Letras Prá Vida - Menção Honrosa do Prémio Semana ALV 2017

O projeto Letras Prá Vida mereceu, da parte do Júri do Prémio Semana ALV 2017 constituído por Ana Maria Canelas (Presidente), Ana Cláudia Valente e Acir Meirelles, uma Menção Honrosa não só pelo número e diversidade de parcerias que estabeleceu, como pelo modo dinâmico como favorece a literacia dos mais velhos e, muitas vezes, mais isolados socialmente. É um projeto que promove a inclusão social e o empoderamento de quem dificilmente tem oportunidades de acesso a outras iniciativas socioculturais.

Dina Soeiro, coordenadora do Projeto Letras Prá Vida comentou assim esta atribuição:

“Este reconhecimento, com o qual a equipa, os parceiros e os participantes estão muito felizes e gratos, dá-nos a responsabilidade de fazer mais e melhor pela Educação de Adultos para Todos.

O projeto, através da oferta de formação regular de alfabetização de adultos, pela criação de novas oficinas em diferentes territórios e contextos, com outros apoios e novos parceiros, ganha agora um novo impulso, pois esta distinção vem abrir possibilidades a uma dimensão nacional que ambicionamos”.

E conclui:

“O alcance desta iniciativa, promovida pela Associação Direito de Aprender, dá também à comunidade de prática do LPV a oportunidade de crescer, enriquecer o debate crítico e contribuir para as boas práticas de intervenção e investigação nesta área.

A visibilidade dada ao Projeto, permitiu-nos também convidar uma grande audiência, para o I Encontro Educação de Adultos Prá Vida, que iremos realizar dia 7 de dezembro, na Escola Superior de Educação de Coimbra, a fim de celebrar o Ano Europeu da Educação de Adultos.

Viva a Aprendizagem e Educação ao Longo da Vida! Viva a Alfabetização com o Coração!”

Dina Soeiro

Alguns dados do Projeto Letras Prá Vida

Letras Prá Vida é um projeto de intervenção comunitária que promove a literacia, o empoderamento e a inclusão social através da dinamização de oficinas de alfabetização com pessoas adultas.

O projeto nasceu em 2015, com uma parceria entre a ESEC e o Município de Condeixa. É promovido pelo Núcleo de Coimbra da Associação Portuguesa para a Cultura e Educação Permanente, com a coordenação científica da ESEC.

Em 2017, a oficina de alfabetização digital Teclas Prá Vida veio responder às solicitações da comunidade e oferecer uma resposta descentralizada, em Belide, uma freguesia do Concelho de Condeixa. Também este ano, cresceu para Vila Nova de Poiares por meio de uma parceria entre a ESEC, a Associação ICreate, o Município e as Juntas de Freguesia.

Em maio e junho, os participantes realizaram visitas à biblioteca municipal, ao Diário de Coimbra, à ESEC, à praia, dado que alguns dos participantes nunca tinham visto o mar.

No dia 17 de junho sai a primeira edição do Boletim do Clube dos Velhos Amigos com textos escritos nas oficinas, como suplemento do Diário de Coimbra.

Em junho, realizaram-se as cerimónias de entrega de certificados com festa convívio, e a exposição de fotografias dos participantes, documentos e objetos, que foi denominada “Alfabetização com o coração”. A exposição esteve ainda no Lar Quinta das Camélias, na Festa de Nossa Senhora das Necessidades e na Feira de Artesanato Poiartes.

No dia 27 de junho, o projeto foi galardoado com o prémio GRUNDTVIG para a excelência em Educação de Adultos, pela European Association for the Education of Adults, entregue em Girona. A exposição “Alfabetização com o Coração” fez parte do “Market Place” em Girona.

No dia 26 de outubro iniciou-se a 2ª edição do projeto em Vila Nova de Poiares.

A Oficina Teclas Prá Vida, 2ª edição, iniciou-se a 4 de Novembro na Escola de Belide.

As oficinas são desenvolvidas a partir das necessidades e potencialidades dos participantes. Eles são os protagonistas da sua própria educação. Para além de definirem os seus próprios objetivos para as oficinas, os participantes contribuem também para definir as estratégias para os atingir, respondendo às suas necessidades e interesses, a partir das suas potencialidades. Cada pessoa tem a literacia da vida, por isso valorizamos a sua experiência, cultura, conhecimento, necessidades, interesses e projetos, o seu passado e o seu futuro, independentemente da idade.

A compreensão do mundo é uma constante nas oficinas, assim os participantes discutem criticamente sobre saúde, diversidade cultural, sexualidade, igualdade de género, entre outros temas relevantes.

As oficinas promovem também a participação política, pois os participantes das oficinas de Vila Nova de Poiares quiseram escrever e mandar uma carta ao Presidente da Câmara, ao Primeiro-ministro e ao Presidente da República, identificando as necessidades dos idosos.

Também a literacia para os Media é trabalhada nas oficinas, de forma sistemática, pois em todas leem os títulos dos jornais, leem e discutem criticamente as notícias, exploram e analisam os jornais, revistas e outras publicações, como o Borda D’Água.

As oficinas “Teclas Prá Vida” dedicadas à literacia digital possibilitam a oportunidade de aprenderem a usar os telemóveis, computadores, internet, redes sociais, com discussão sobre a segurança e os aspetos éticos.

A estratégia de oferecer as oficinas fora da instituição, onde alguns participantes estão institucionalizados foi muito positiva. A simples oportunidade de saírem da instituição foi sentida como libertadora. A possibilidade de interagirem nas atividades do projeto com pessoas não institucionalizadas foi inclusiva.

Por sessão, a equipa multidisciplinar é normalmente de 5 elementos para 10 a 15 participantes, sendo que só assim é possível desenvolver esta metodologia. Importa sublinhar que a planificação é específica para cada grupo. As equipas dinamizadoras das sessões, apesar de estáveis, não são exclusivas de cada grupo, havendo até alguma rotatividade, embora se garanta a constituição de relações andragógicas estáveis.

Os registos fotográficos e em vídeo devolvidos aos participantes e divulgados às famílias e à comunidade são evidências reveladoras da evolução significativa do bem-estar dos participantes e também da equipa.

 

O impacto do projeto no Lar Quinta das Camélias, na UCC e no CD da Santa Casa da Misericórdia de Poiares foi tão significativo que fomos desafiados a organizar mais um grupo para uma oficina a decorrer na instituição, para os idosos que não se conseguem deslocar. Iremos ao encontro deste desafio na edição de primavera.

Como o projeto é promovido pela ESEC, no contexto das Licenciaturas em Animação Socioeducativa, Gerontologia Social e dos Mestrados em Gerontologia Social e em Educação de Adultos e Desenvolvimento Local, a formação dos estudantes é realizada em contexto real, permitindo uma aproximação à realidade profissional, no contacto direto com os participantes do projeto, indo ao encontro das necessidades socioeducativas da comunidade, contribuindo assim para o cumprimento da missão do IPC na “prestação de serviços à comunidade, tendo em vista a transferência de conhecimentos e a valorização recíproca” (Estatutos do IPC).

Esta iniciativa promove a oportunidade de construção de conhecimento científico, baseado na investigação das práticas desenvolvidas.

No que diz respeito à divulgação do projeto, para além da partilha de fotos e vídeos, através da página do Facebook, tem sido apresentado em vários contextos académicos e conferências, tem merecido a atenção de jornais locais e regionais e até de canais de televisão e rádio nacionais, e está integrado no “2017 EAEA Year of Adult Education in Europe”.

A estratégia do projeto tem por base a sua replicação, quer através da oferta de formação regular sobre alfabetização de adultos, para a constituição de equipas, descentralização e autonomia, quer pela criação de novas oficinas noutros territórios e contextos.

A formação realiza-se de forma descentralizada, tendo decorrido já uma edição em Vila Nova de Poiares. A equipa de formação está disponível para ir ao encontro das necessidades educativas a este nível, estando agendada uma nova edição para fevereiro de 2018.

O projeto está a desenvolver uma comunidade de prática sobre esta temática e participa no Círculo de Alfabetização da APCEP.

Dando continuidade às Jornadas de Alfabetização, promovidas pela APCEP, em que o projeto participou, assume um papel ativo na promoção da alfabetização de adultos na agenda política.

Ancorada teoricamente na Pedagogia da Autonomia e no Método de Paulo Freire, na Andragogia e Aprendizagem Autodirigida, esta abordagem prima pela valorização dos afetos na promoção da literacia, naquilo que denominámos alfabetização com o coração.

 

Ver vídeo: Avaliação na voz dos participantes https://www.youtube.com/watch?v=RW0ELG80e-E

Página do Facebook de Letras Prá Vida: https://www.facebook.com/letraspravida/

 

 

 

Tópicos: Tags: