Educação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável - Objetivos de aprendizagem

A educação está no coração do desenvolvimento sustentável e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Para as pessoas viverem de forma sustentável, elas precisam aprender. São necessárias certas competências-chave, valores e atitudes para enfrentar os desafios da vida cotidiana das pessoas e contribuir para a criação de sociedades sustentáveis. Mas no mundo atual em rápida mudança, onde as normas sociais, económicas e políticas estão em constante reformulação, as pessoas também precisam de reavaliar e atualizar a sua aprendizagem continuamente ao longo das suas vidas. A aprendizagem ao longo da vida pode ser um recurso crítico no apoio a indivíduos e comunidades para alcançar um avanço social e económico sustentável. Isto foi reconhecido pelas Nações Unidas no ODS 4 da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, o que obriga os Estados-Membros a garantir "uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e a promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos".

Divulgamos aqui a publicação “Educação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Objetivos de aprendizagem” (em português), publicada pela UNESCO e pela Representação da UNESCO no Brasil.

Esta publicação orienta os leitores sobre como usar a educação, especialmente a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS), para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Identifica os objetivos de aprendizagem, sugere temas e atividades de aprendizagem para cada ODS e descreve a implementação, em diferentes níveis, desde a formulação do curso até estratégias nacionais. O documento tem como objetivo apoiar os formuladores e gestores de políticas, desenvolvedores de currículo e educadores na elaboração de estratégias, programas e cursos para promover a aprendizagem para os ODS.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – uma agenda ambiciosa e universal para transformar nosso mundo

É necessária uma mudança fundamental na maneira como pensamos o papel da educação no desenvolvimento global, porque ela tem um efeito catalisador sobre o bem-estar das pessoas e para o futuro do nosso planeta […]. Agora, mais do que nunca, a educação tem a responsabilidade de se alinhar com os desafios e aspirações do século XXI, e promover os tipos certos de valores e habilidades que irão permitir um crescimento sustentável e inclusivo, e uma convivência pacífica “.

Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO

“A educação pode e deve contribuir para uma nova visão de desenvolvimento global sustentável “.

(UNESCO, 2015)

No centro da Agenda 2030 estão os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Os ODS universais, transformadores e inclusivos descrevem os principais desafios de desenvolvimento para a humanidade. O propósito dos 17 ODS é garantir uma vida sustentável, pacífica, próspera e equitativa na Terra para todos, agora e no futuro. Os objetivos abrangem desafios globais que são fundamentais para a sobrevivência da humanidade. Eles estabelecem limites ambientais e definem restrições cruciais para a utilização dos recursos naturais. Os objetivos reconhecem que a erradicação da pobreza deve caminhar de mãos dadas com estratégias que constroem o desenvolvimento econômico. Abordam uma gama de necessidades sociais, incluindo educação, saúde, proteção social e oportunidades de emprego, enquanto combatem a mudança climática e promovem a proteção ambiental. Os ODS abordam as principais barreiras sistêmicas para o desenvolvimento sustentável, como a desigualdade, padrões de consumo insustentáveis, falta de capacidade institucional e degradação ambiental.

(…)

A quem se destina esse guia e como ele pode ser usado?

Esta publicação visa a orientar os leitores sobre como usar a educação, e em particular a EDS, na consecução dos ODS. Ela identifica os objetivos de aprendizagem, sugere temas e atividades de aprendizagem para cada ODS, e descreve a implementação em diferentes níveis, desde a formulação de um curso até estratégias nacionais. O documento tem como objetivo apoiar os formuladores de políticas, desenvolvedores de currículo e educadores na elaboração de estratégias, currículos e cursos para promover a aprendizagem para os ODS. O documento não é prescritivo de nenhuma forma, mas apresenta orientações e oferece sugestões para temas e objetivos de aprendizagem que os educadores podem selecionar e adaptar a contextos de aprendizagem concretos.

Educadores podem usar este guia como um recurso no desenvolvimento de treinamentos, livros didáticos, cursos online abertos e massivos (massive open online courses – MOOCs) e exposições. Ele pode ajudar os professores ou elaboradores de currículos em instituições de educação formal, formadores em programas de capacitação profissional ou equipes de organizações não governamentais (ONGs) na concepção de ofertas educativas não formais. Os formuladores de políticas podem achar útil considerar as ideias centrais dos objetivos de aprendizagem para os ODS na elaboração de políticas ou estratégias de educação. Para alguns, este guia pode oferecer uma introdução aos ODS, à EDS e a abordagens de ensino e aprendizagem orientadas para competências na área de EDS. Para outros, o guia e os recursos adicionais recomendados podem aprofundar a compreensão desses conceitos. Ele também pode ser usado para dar seguimento ao trabalho existente na EDS e áreas afins, como a educação para a cidadania global, a educação em direitos humanos, a educação ambiental e outros.

(…)

A parte principal do documento resume as competências-chave em EDS que os educandos deverão desenvolver e descreve os objetivos de aprendizagem indicativos, temas e abordagens pedagógicas para cada um dos 17 ODS. Posteriormente, uma seção mais curta traz orientações sobre a implementação em diferentes níveis de educação e em diversos contextos.

Objetivos de aprendizagem para a consecução dos ODS

A EDS pode desenvolver competências-chave transversais para a sustentabilidade que são relevantes para todos os ODS. A EDS também pode desenvolver resultados de aprendizagem específicos necessários para o trabalho na busca de um ODS específico.

À medida que as sociedades ao redor do mundo se esforçam para acompanhar o ritmo dos avanços da tecnologia e da globalização, elas se deparam com muitos desafios novos. Estes incluem complexidade e incerteza crescentes; mais individualização e diversidade social; expansão da uniformidade econômica e cultural; degradação dos serviços ecossistémicos dos quais dependem; e maior vulnerabilidade e exposição a riscos naturais e tecnológicos. Uma quantidade imensa de informações que proliferam rapidamente está disponível para elas. Todas essas condições exigem ações criativas e auto-organizadas, porque a complexidade da situação supera os processos básicos de resolução de problemas que se atêm estritamente ao planejado. As pessoas devem aprender a entender o complexo mundo em que vivem. Elas precisam ser capazes de colaborar, falar e agir para a mudança positiva (UNESCO, 2015). Podemos chamar essas pessoas de “cidadãos da sustentabilidade” (WALS, 2015; WALS; LENGLET, 2016).

Há um consenso geral de que os cidadãos da sustentabilidade precisam ter certas competências-chave que lhes permitam participar de forma construtiva e responsável no mundo de hoje. Competências descrevem os atributos específicos de que os indivíduos precisam para atuarem e se auto-organizarem em vários contextos e situações complexas.

(…)

Não é possível ensinar competências, elas têm de ser desenvolvidas pelos próprios educandos. Elas são adquiridas durante a ação, com base na experiência e na reflexão (UNESCO, 2015; WEINERT, 2001).

Competências-chave representam competências transversais que são necessárias para todos os educandos, de todas as idades, em todo o mundo (desenvolvidas em diferentes níveis, de acordo com a idade). Competências-chave podem ser entendidas como transversais, multifuncionais e independentes do contexto. Elas não substituem as competências específicas necessárias para a ação bem-sucedida em determinadas situações e contextos, mas elas as incluem e têm um foco mais amplo (RYCHEN, 2003; WEINERT, 2001).

(…)

Os objetivos de aprendizagem específicos descritos a seguir devem ser vistos em conjunto com as competências de sustentabilidade transversais. Por exemplo, um objetivo de aprendizagem específico para o ODS 1: “Erradicação da pobreza – acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares”, pode ser definido como “O educando tem conhecimento sobre causas e impactos da pobreza”. Esse conhecimento pode ser adquirido por meio de estudos de caso sobre a pobreza em países selecionados. Ao mesmo tempo, essa atividade de aprendizagem contribui para a competência de pensamento sistêmico da pessoa, facilitando a percepção de que vários fatores influenciam a pobreza.

(…)

As abordagens de aprendizagem e os métodos descritos neste documento são, portanto, baseados em melhores práticas para o desenvolvimento de competências. Ao usar este marco orientador, os educadores são incentivados a considerar quais competências-chave suas atividades educacionais estão facilitando, além dos objetivos de aprendizagem específicos descritos para cada ODS

 

Quadro 1.1. Competências-chave para a sustentabilidade

Competência de pensamento sistêmico: habilidade de reconhecer e compreender relacionamentos; analisar sistemas complexos; pensar como os sistemas são incorporados dentro de diferentes domínios e diferentes escalas; e lidar com a incerteza.

Competência antecipatória: habilidade de compreender e avaliar vários futuros – possíveis, prováveis e desejáveis; criar as próprias visões para o futuro; aplicar o princípio da precaução; avaliar as consequências das ações; e lidar com riscos e mudanças.

Competência normativa: habilidade de entender e refletir sobre as normas e os valores que fundamentam as ações das pessoas; e negociar valores, princípios, objetivos e metas de sustentabilidade, em um contexto de conflitos de interesses e concessões, conhecimento incerto e contradições.

Competência estratégica: habilidade de desenvolver e implementar coletivamente ações inovadoras que promovam a sustentabilidade em nível local e em contextos mais amplos.

Competência de colaboração: habilidade de aprender com outros; compreender e respeitar as necessidades, as perspectivas e as ações de outras pessoas (empatia); entender, relacionar e ser sensível aos outros (liderança empática); lidar com conflitos em um grupo; e facilitar a colaboração e a participação na resolução de problemas.

Competência de pensamento crítico: habilidade de questionar normas, práticas e opiniões; refletir sobre os próprios valores, percepções e ações; e tomar uma posição no discurso da sustentabilidade.

Competência de autoconhecimento: habilidade de refletir sobre o próprio papel na comunidade local e na sociedade (global); avaliar continuamente e motivar ainda mais as próprias ações; e lidar com os próprios sentimentos e desejos.

Competência de resolução integrada de problemas: habilidade de aplicar diferentes marcos de resolução de problemas para problemas complexos de sustentabilidade e desenvolver opções de solução viáveis, inclusivas e equitativas que promovam o desenvolvimento sustentável, integrando as competências mencionadas anteriormente.

Livro completo em português:

Educação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável - Objetivos de aprendizagem

Esta publicação também está disponível em outras línguas (inglês, francês, espanhol, árabe, russo, chinês e catalão)

Informação disponível em: https://en.unesco.org/node/282002

 

Tópicos: Tags: